Siga o Blog por E-Mail.

terça-feira, 8 de abril de 2014

Vitória dos/as Assistentes Sociais da Paraíba, Agora é “Seguir na Luta, Forte e Independente”


Minhas primeiras linhas sobre as eleições do CRESS/PB, o texto da chapa será divulgado ainda essa semana" (Tárcio Teixeira).

Um momento histórico para o Serviço Social da Paraíba; a maior votação da história do Conselho Regional de Serviço Social da Paraíba (454- mais da metade dos/as aptos/as para votar); a primeira reeleição de presidente; a maior diferença de votos entre as chapas concorrentes (13,75%). Um momento como esse não cabe levantar aspectos negativos do processo eleitoral, cabe apenas agradecer aos/as Assistentes Sociais da Paraíba que optaram por seguir a mudança iniciada em dezembro de 2011 e votaram na chapa “Seguir na Luta, Forte e Independente”.

O Edital das Eleições do Conjunto CFESS/CRESS foi publicado em novembro de 2013 e a apuração dos votos na Paraíba realizada em abril de 2014, seis meses de um longo processo eleitoral. Foram milhares de quilômetros percorridos, dezenas de cidades visitadas, centenas de Assistentes Sociais contactados/as, uma única resposta da categoria: “Segui na Luta, Forte e Independente” na Seccional Campina Grande e no CRESS/PB; sem contar com os mais de 70% dos votos na chapa para o CFESS, votação na qual, mesmo com uma aparente campanha de boicote, os/as Assistentes Sociais (321) da Paraíba optaram por seguir “Tecendo na LUTA a Manhã Desejada”.

Poderíamos aqui escrever linhas e mais linhas sobre a ingerência da Prefeitura de Campina Grande, da Prefeitura de João Pessoa e do Governo do Estado da Paraíba em nosso processo eleitoral, mas a resposta foi dada pelos/as Assistentes Sociais da Paraíba que optaram por sua autonomia política e por “Seguir na Luta, Forte e Independente”.

Eu, permitam que eu traga para o individual, poderia responder ainda a acusações descabidas despejadas sobre a minha pessoa e desmascarar algumas pessoas que se fizeram de vítima como se nada tivesse haver com suas relações com o Governo do Estado da Paraíba (seja política, familiar ou do novo cargo); esse era o sentimento do texto que eu pensava em fazer até a madrugada de hoje (08/04/14), mas a categoria já deu resposta para isso e optou por “Seguir na Luta, Forte e Independente”.

Foram duas mesas apuradoras, uma para os votos presenciais e outra para os votos por correspondência, a chapa “Seguir na Luta, Forte e Independente” (tanto Seccional como no CRESS/PB) ganhou nas duas; com o destaque para Campina Grande, onde, mesmo com a reconhecida fragilidade da Seccional no último período, a maioria dos/as Assistentes Sociais da Paraíba votaram em nossa chapa para Seccional, deixando claro que o Projeto Ético-político é superior as fragilidades administrativas. Fica nosso compromisso em superar nossas fragilidades administrativas e seguir defendendo nosso Projeto Coletivo.

A vantagem de mais de 22% dos votos do interior é uma clara avaliação ao processo de interiorização do CRESS/PB no último período. Apenas começamos, temos muito que avançar na interiorização do nosso Conselho, é hora de “Seguir na Luta, Forte e Independente”.

Mais que pelos votos em nossa chapa, estamos muito felizes com a resposta dada por nossa categoria no processo eleitoral do Conjunto CFESS/CRESS, nosso Projeto Coletivo foi colocado em primeiro lugar. Sabemos da responsabilidade que será representar uma categoria guerreira como a nossa nos próximos anos. Obrigado pela confiança!

Forte Abraço
Tárcio Teixeira

Ps.: Em breve publicaremos texto da chapa agradecendo aos/as que votaram e apoiaram nosso grupo nas eleições do CRESS/PB, aqui ficam minhas primeiras linhas sobre nossas eleições. Segue quadro de votação.

Voto
Presencial
Correspondência
TOTAL
Seccional - Alternativa CRESS
38
78
116 – 43,12%
Seccional – Seguir na Luta, Forte e Independente
43
86
129 – 47,96%
Nulo
03
01
04
Branco
05
15
20
TOTAL
89
180
269
Destacamos que na urna de Campina Grande a chapa “Seguir na Luta, Forte e Independente”, inscrita para Seccional, teve 43 votos contra 38 da outra chapa.


Voto
Presencial
Correspondência
TOTAL
CRESS - Alternativa CRESS
119
66
185 – 40,75%
CRESS – Seguir na Luta, Forte e Independente
140
107
247 – 54,5%
Nulo
00
02
02
Branco
15
05
20
TOTAL
274
180
454

sexta-feira, 4 de abril de 2014

As Eleições, a Paraíba e a Ditadura das Cores



Tárcio Teixeira (Pré-candidato ao Governo da Paraíba pelo PSOL e vice-presidente da legenda no estado, apresenta esse texto como o segundo de dois que trataram da Paraíba, da Ditadura e da Liberdade).

Qual cor você mais gosta? Já foi reprimido por usar a cor do outro partido? Pois bem, é disso mesmo que quero tratar nas linhas que seguem, a ditadura das cores, os partidos políticos e os meios de comunicação.

No último carnaval usei uma fantasia laranja, era o "monstro do halloween", e fui reprimido devido ser essa a cor do Governador Ricardo Coutinho, e olhe que a fantasia era de monstro; outro dia usei amarelo, cor presente na bandeira do PSOL, e disseram ser de Cassio Cunha Lima, Governador Cassado por uso indevido do dinheiro público (não é o mesmo que cassado por corrupção?); o vermelho nem se fala, uns dizem por aí que é do PT, na Paraíba outros dizem ser do PMDB de Maranhão, e olhem que o vermelho representa a luta histórica dos/as trabalhadores/as e é, também, uma das corres presentes na bandeira do nosso PSOL. E agora? Tocar fogo em meu guarda-roupa de cor madeira? Afinal de contas madeira é cor da cara de pau de muitos desses políticos que sempre governaram nossa Paraíba, não, não farei isso, só o meio ambiente sofreria.

Mas não para por aí, temos muitos ambientalistas no PSOL e o verde é a cor da natureza, mas diriam: “essa não é a cor do PV? Que tal usar o azul?”; melhor não, em um período cinza, em meio a tantos ataques a direitos, não podemos deixar aparentar que segue tudo azul. Anil e violeta, são as cores que faltam para fechar o arco-íris (lembrando que o cinza não faz parte do arco-íris), mas anil não deixa de ser uma tonalidade de azul e quanto a violeta, onde eu encontraria roupas, calças e calçados na cor violeta? Não, também tem o fato de violeta não combinar comigo, definitivamente violeta não combina comigo.

Saindo dos partidos, mas seguindo no assunto das cores, qual a cor do seu meio de comunicação preferido (televisão, portal, rádio e jornal)?

Rápido/a você, claro que não estou falando das cores estampadas nas marcas dos diferentes sistemas de comunicação, mas dos partidos e pré-candidatos/as que são privilegiados em/por seu meio de comunicação preferido.

Em nossa Paraíba um Governador Cassado por uso indevido de dinheiro público (Cássio Cunha Lima), que até fevereiro era parte direta do (des)Governo de Ricardo Coutinho, é quem mais tem espaço nos meios de comunicação (portais, canais de televisão, jornal impresso e/ou rádio); o atual Governador usa os meios de comunicação oficial, amplia em mais de 50% a verba de propaganda para 2014 e a Justiça Eleitoral não acha nada demais; o PMDB (des)governou a Paraíba e quer pintar suas cores como alternativa usando das relações com o Governo Federal para fechar sua chapa de Governador por meio da imposição nacional.

Calma, tem mais, pesquisas são publicadas sem os nomes dos/as pré-candidatos/as lançados/as oficialmente por seus partidos; a imprensa não garante o mesmo espaço nos meios de comunicação para todos/as pré-candidatos/as, nem para os partidos que possuem representação na Câmara dos Deputados, como determina a lei.

São quatro pesquisas divulgadas na Paraíba, uma delas (que só fala do PSDB, PSB e PMDB) nem no TRE foi registrada (ou não aparece na página do órgão); outras três foram registradas, vejamos:

1. Pesquisa registrada com nº "PB-00002/2014", contratada pelo "Mais PB" por 20 mil reais e nossa candidatura (Tárcio Teixeira- PSOL) não aparece;
2. Pesquisa registrada com nº "PB-00003/2014", contratada pela "Fundação Pedro Américo e Rádio e Televisão Campina Grande" por 40 mil reais, nossa candidatura (Tárcio Teixeira- PSOL) aparece, mas os organizadores/as (TV Itararé) não divulgam nosso percentual, mesmo eu tento ligado pessoalmente para TV;
3. Pesquisa registrada com nº "PB-00004/2014", contratada pelo "Jornal da Paraíba" por 43.500 reais, colocam a pré-candidata do PT, mas nossa pré-candidatura (Tárcio Teixeira- PSOL) segue fora das pesquisas.

QUAL MEDO DE COLOCAR NOSSO NOME COMO PRÉ-CANDIDATO?

Verdade, esse texto não terá repercussão nos meios de comunicação que já possuem uma cor definida, mas os levantes de junho e a vontade de mudança seguem presentes na mente de todos/as, a verdade derrotará a ditadura das cores.


Ps.: Sobre o primeiro texto: após publicação do primeiro texto sobre a ditadura recebi e-mail de uma importante comunicador da Paraíba, Giovanni Meireles; ele lembrou que o motivo de não existir uma homenagem direta ao Ditador Figueiredo é, de fato, devido o período da abertura e o fechamento de diversos órgão da repressão; mas Giovanni lembra ainda que o Bairro "Valentina de Figueiredo" é uma homenagem a mãe do ditador Figueiredo. Ampliando as palavras do primeiro texto, temos mais um Bairro para mudar de nome.


domingo, 30 de março de 2014

50 Anos do Golpe Militar: A Ditadura, a Liberdade e os Levantes de Junho.


Tárcio Teixeira (Pré-candidato ao Governo da Paraíba pelo PSOL e vice-presidente da legenda no estado, apresenta esse texto como o primeiro de dois que tratarão da Paraíba, da Ditadura e da Liberdade).


Estamos em meio as atividades de repúdio aos 50 anos da mais dura e cruel ditadura militar brasileira e em meio as atividades comemorativas aos 30 anos do movimento das Diretas Já e da vitoriosa abertura democrática em nosso país; sem sombra de dúvidas a democracia que vivemos hoje no Brasil, mesmo com as limitações existentes, só foi (e é) possível graças a luta do povo brasileiro, não necessariamente os socialistas e/ou comunistas, mas de todo povo que tomou as ruas exigindo e conquistando sua relativa liberdade.

A Paraíba, Ditadura e Liberdade

Nossa Paraíba parece ter ficado um pouco atrás nesse processo, a capital do estado tem três bairros com nome de ditadores que presidiram o Brasil no pós 64, Castelo Branco, Costa e Silva e Geisel. Em João Pessoa ainda tem uma Escola Estadual com o nome de Médici; só não sei se existe algo com o nome de Figueiredo (não localizei), será que os que governaram a Paraíba até hoje não o homenagearam por ter sido em seu período (devido grande pressão da luta do povo) que houve a reabertura? Não seria a hora de mudar e adequar toda essa estrutura ao nosso tempo de democracia? É urgente a substituição dos ditadores pelos lutadores/as do povo.

Como se não bastasse é, também, em nosso estado que lideranças religiosas (ainda bem que nem tão lideres assim) convocam a Marcha da Família com Deus e pela Liberdade, evento em alusão a marcha ocorrida inicialmente em 19 de março de 1964. Um movimento claramente convocado com a mesma raiz dos anos da ditadura, o anti-comunismo ainda vivo no Brasil e no mundo, um sentimento de ódio sem sentido, já que o comunismo nada mais é que uma sociedade que seja, de fato, de toda humanidade, não apenas de uma parcela ínfima do planeta. Atualmente a riqueza de 01% (pouco mais de 600 mil pessoas) da população mais rica do planeta alcança a marca de 81 bilhões de euros, 65 vezes do que possui a metade da população mundial (mais de três bilhões de pessoa); atualmente, no capitalismo, 1,2 bilhão de seres humanos vivem na extrema pobreza, segundo o Banco Mundial essas pessoas sobrevivem com menos de 1,25 dólar por dia.

Esperamos que muitos/as tenham compreendido que não existe fórmula mágica para “implementação” do comunismo; que sem liberdade não existe comunismo; mas esperamos, principalmente, que tenham compreendido que o capitalismo jamais deu certo como solução para a humanidade, segue enriquecendo e concentrando a renda nas mãos de menos pessoas no planeta, enquanto milhares ainda morrem de fome.

A liberdade é um dos principais “motores” para as marchas convocadas para março terem sido todas fracassadas; também foi ela (a liberdade) um dos grandes motores dos levantes de junho de 2013; liberdade diante do mercado que controla a saúde e a educação do nosso país; liberdade de um sistema que limita a participação direta da população nas decisões do país; liberdade para organização e mobilização popular.

João Gulart, o Governo Federal e os Levantes de Junho

No Brasil comemoramos 30 anos das Diretas lembrando como derrotamos a Ditadura; comemoramos em meio a grandes manifestações que, também, reforçam as bandeiras defendidas por João Goulart em seu discurso de março de 1964: reforma urbana, reforma tributária (imposto sobre as grandes fortunas), reforma agrária, reforma política, defesa do patrimônio público (estatização de refinarias de petróleo) e mudanças na administração pública.

Enquanto os Levantes de Junho defendiam (ou defendem) nosso petróleo, o Governo Federal privatizava nossas reservas; enquanto reivindicamos os 10% do PIB para educação pública, o Governo Federal e seus aliados da iniciativa privada jogam recursos públicos para iniciativa privada; enquanto defendemos a mobilidade urbana, mais e mais carros são jogados nas ruas com a redução de IPI e outros privilégios aos empresários do ramo; enquanto defendemos a reforma agrária, estamos diante do maior apoio da história ao agro-negócio; enquanto defendemos a reforma política, com o foco na maior participação popular e fim do financiamento privado de campanha, vemos governantes envolvidos em escândalos e trocas de ministérios em nome da manutenção do poder. Segue a troca de favores em oposição as reformas reivindicadas nas ruas.

Pior, em meio as inúmeras manifestações de repúdio ao Golpe de 64 e a Ditadura ali implementada, fomos surpreendidos com tropas federais enviadas aos quatro cantos do país para garantir a realização da Copa da FIFA e reprimir manifestações em defesa de direitos; temos uma Polícia Militar envolvida na morte de milhares de Amarildos e Cláudias; o aparato policial na repressão a luta do povo é uma constante; policiais são duramente reprimido em suas corporações por defender a revisão do código de conduta e a reestruturação da Polícia Militar. Militarização não combina com democracia!

O PSOL, a Democracia e a Liberdade

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) tem sido uma das principais referências no debate de repúdio a Ditadura Militar e em defesa da Democracia e da Liberdade de Organização Popular. Foi por iniciativa do PSOL que o mandato de João Gulart foi devolvido simbolicamente, é também do PSOL, por intermédio do Senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), o Projeto de Lei 237/2013, que pede revisão da Lei da Anistia na perspectiva de que os agentes públicos envolvidos na repressão aos que lutavam contra o regime possam ser responsabilizados pelos crimes cometidos contra os direitos humanos.

Não para por aí, o Senado Randolfe teve sua proposta de Audiência Pública, para debater a necessidade da desmilitarização da polícia, aprovada na Comissão de Direitos Humanos do Senado; em meio ao debate será pautada a PEC 51/2013, de autoria do paraibano Lindberhg Farias (PT/RJ), que “[...] pede a reestruturação do modelo de segurança pública a partir da desmilitarização do modelo policial. Atualmente a PEC está em tramitação em uma comissão especial no Senado.” (http://www.psol50.org.br/site/noticias/2629/randolfe-propoe-debate-sobre-desmilitarizacao-das-policias).

Na Paraíba serão muitas as ações organizadas pela Comissão da Verdade e pelos Movimentos Sociais, o PSOL/PB parabeniza os/as militantes dos diversos partidos e movimentos que estão na organização dessas atividades, declara apoio e estará presente para repudiar os tempos de ditadura, saudar os tempos de democracia e, principalmente, para reforçar a luta pela responsabilização dos torturadores e pela ampliação da participação popular nas decisões do rumo do país.
______________________________

Segue programação e lista da comissão organizadora:

PROGRAMAÇÃO GERAL
ATIVIDADES GERAIS DAS ORGANIZAÇÕES, ENTIDADES E MOVIMENTOS QUE ESTÃO REALIZANDO AÇÕES DE RESISTENCIA E REPÚDIO AOS 50 ANOS D0 GOLPE MILITAR DE 1964 NA PARAÍBA



Dia 31 de março de 2014 - segunda-feira - 09h00 – Caminhada da Resistência – Saída da entrada do CCHLA, na UFPB, passando pela Escola Presidente Médici e encerrando com um ato político em frente ao mercado do bairro Castelo Branco. A caminhada objetiva a sensibilizar a população do conjunto para a mudança do nome da avenida principal de Presidente Castelo Branco para Presidente João Goulart e da Escola Estadual Presidente Emílio Garrastazu Médici para João Pedro Teixeira, promovendo, de forma simbólica, as mudanças nos letreiros e placas alusivos aos ditadores-presidentes.
Concentração às 17h00 – Vigília Cívica – Panfletagem e concentração em frente à Faculdade Maurício de Nassau, na Av. Epitácio Pessoa, seguida de caminhada até o Grupamento de Engenharia do Exército, onde ocorrerá a vigília cívica com programação política, cultural e religiosa.
10:00hs,  Audiência no Palácio da Redenção para entrega do Relatório de um ano de atividades da CEVPM-PB.
17:00hs - Vigília – concentração em frente à Faculdade Mauricio de Nassau na rua Epitácio Pessoa com caminhada em direção a praia até o Grupamento de Engenharia onde ocorrerá a vigília com uma programação cultural, Ecumênica e Política

Dia 1 de abril de 2014  - terça-feira - 9:00hs - Distribuição de 50.000 panfletos - Ponto de Cem  Reis (Ver  com Emilson  os Brincantes de Cabedelo  e o Balet Popular da UFPB, Maracatú, Batucada do Levante, Bate com Lata)
12:00hs – Ato Político e Caminhada  da Resistencia até a Câmara Municipal - Concentração na Lagoa, próximo aos pontos de ônibus, com  faixas, bandeiras, carro de som até a Câmara Municipal.
Lançamento do Abaixo Assinado em Apoio ao Projeto de Iniciativa Popular para mudança de nomes de ruas e prédios públicos que façam referencia, alusão ou homenagens a pessoas que participaram do regime militar de 1964-1985. 
15:00hs – Câmara Municipal –Sessão especial para  devolução simbólica  dos mandatos aos vereadores cassados pela ditadura militar e entrega do Projeto de Iniciativa Popular para a mudança de nomes de ruas e bairros que homenageiam pessoas ligadas ao regime.
Dia 2 de abril de 2014  -  9 horas – Memorial das Ligas Camponesas, Barra de Antas – Sapé.
9 horas - Visitação dos alunos das escolas públicas da região ao Memorial das Ligas Camponesas; Visitação aberta ao público com explicações sobre o acervo; Exibição de vídeos sobre a luta no campo.
14horas - Caminhada saindo de Café do Vento até o local em que João Pedro Teixeira foi assassinado 
Memórias:   Sobre a luta dos camponeses de Barra de Antas e entorno em resistência e repúdio ao golpe militar de 1964; homenagem a Eduardo Coutinho.
Dia 21 de Abril de 2014 – segunda–feira - 18:00hs - Lançamento  do Filme “ A Mesa Vermelha” , com a presença dos ex-presos políticos de Itamaracá - Casarão 34 ou Funjope 

REALIZAÇÃO E APOIO
Comitê Paraibano Memória, Verdade e Justiça
Prefeitura Municipal de João Pessoa
Ação Libertadora Nacional(ALN)
Associação Cultural Jose Martí (ACJM)
Associação dos Docentes da UFPB (ADUF-PB)
Associação Paraibana dos Amigos da Natureza (APAN)
Associação Paraibana dos Estudantes Secundaristas (APES)
Central Única dos Trabalhadores (CUT)
Centro de Direitos Humanos Dom Oscar Romero.
Coletivo da Saúde – UFPB
Coletivo Desentoca (Direito – UFPB)
Comissão Estadual da Verdade e da Preservação da Memória do Estado da Paraíba
Comissão da Verdade, da Memória e da Justiça das entidades representativas da UFCG
Comitê Estadual de Prevenção a Tortura
Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos
Consulta Popular
Curso de Teatro – CCFTA-UFPB
Dignitatis
Grupo de Mulheres Lésbicas e Bissexuais Maria Quitéria
Grupo Ymyrapytã- Ligas da Memória, Verdade e Justiça
Levante Popular da Juventude
Memorial das Ligas Camponesas
Movimento do Espírito Lilás (MEL)
Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST)
Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos, Comissão de Direitos Humanos e Centro de Referencia de Direitos Humanos da UFPB
Partido Comunista Revolucionário (PCR)
Partido dos Trabalhadores (PT)
Sindicato dos Jornalistas da Paraíba
Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil (Sintricom)
Sindicato dos Trabalhadores da Limpeza Urbana (Sindlimp)
Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Paraíba (Sintep)
Sindicato dos Urbanitários da Paraíba (Stiupb)
Sindicato dos Auditores Fiscais da Paraíba (Sindifisco)
Sindicato dos Bancários da Paraíba
Tambores da Paz
União da Juventude Rebelião (UJR)

sexta-feira, 28 de março de 2014

NOTA DE APOIO À OCUPAÇÃO DO MOVIMENTO DE TRABALHADORES (AS) RURAIS SEM TERRA (MST) NO MUNICÍPIO DE CASSERENGUE (PB)

 
As entidades de direitos humanos, movimentos sociais e organizações civis da Paraíba manifestam seu integral apoio ao Movimento de Trabalhadores (as) Rurais Sem Terra (MST), exigindo o fiel cumprimento da função social da propriedade rural e repudiando a violência cometida contra integrantes do movimento no município de Casserengue - PB.

Centenas de famílias de trabalhadores vêm passando privações econômicas por falta de acesso à terra na região; e 80 delas, ligadas ao MST, decidiram ocupar na madrugada do dia 24 de março de 2014, a fazenda conhecida por “Imbiguda”. Um grupo de milícia privada, formada por 15 “jagunços” fortemente armados, atuou violentamente contra os integrantes do movimento, inclusive baleando um agricultor que se encontra hospitalizado.

A fazenda “Imbiguda” tem dois mil hectares improdutivos e está abandonada. Dessa forma, descumpre a função social prevista pela Constituição Federal no art. 186,devendo ser desapropriada para fins de reforma agrária. Esse conflito fundiário se estende desde o ano passado e as famílias não irão desistir de lutar por seus direitos até que a terra seja desapropriada e todos (as) ocupantes sejam assentados.

Assim, as entidades abaixo assinadas manifestam sua solidariedade à resistência dessas famílias e se somam ao seu grito de exigência por um posicionamento do INCRA e da INTERPA, com apoio do Governo do estado da Paraíba, para que desapropriem essa fazenda, cumprindo a vontade da nossa Constituição Federal e concretizando os princípios do Estado Democrático de Direito.
 
Núcleo de Extensão Popular (NEP) Flor de Mandacaru da UFPB
Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos (NCDH) da UFPB
Centro de Referência em Direitos Humanos (CRDH) da UFPB
Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos da UFPB
Comissão Estadual de Direitos Humanos da Paraíba
Sindicato dos Professores da Universidade Federal da Paraíba (ADUFPB)
Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFPB
Dignitatis - Assessoria Técnica Popular
Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares (RENAP) - PB
Instituto de Pesquisa Direito e Movimentos Sociais (IPDMS)
Conselho Regional de Serviço Social  - CRESS PB
Consulta Popular
Levante Popular da Juventude
Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) - PB
Corrente O Trabalho - Partido dos Trabalhadores - PB
Corrente Articulação de Esquerda - Partido dos Trabalhadores - PB
Comitê do Plebiscito da Constituinte Exclusiva
Observatório de Justiça e Cidadania do Rio Grande do Norte (OJC)
Instituto de Pesquisa e Estudos em Justiça e Cidadania (IPEJUC - RN)
 
 
 
João Pessoa, 28 de março de 2014.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Com 76,72% dos votos, Ricardo Coutinho é eleito o maior mentiroso da Paraíba

O Fórum dos Servidores Públicos Civis e Militares do Estado da Paraíba realizou votação para eleger o político mais mentiroso do Estado da Paraíba. A eleição, que ocorreu nesta quinta-feira (27) e contou com a participação de servidores estaduais e populares que circulavam pelo Parque Sólon de Lucena (Lagoa), em João Pessoa, contabilizou 1104 votos.

Com 847 votos (76,72%), o governador Ricardo Coutinho (PSB) foi eleito o maior mentiroso da Paraíba. O senador Cássio Cunha Lima (PSDB) somou 99 votos (8,97%). O terceiro lugar ficou para o prefeito de João Pessoa Luciano Cartaxo, que contabilizou 25 votos (2.26%). 


Também foram contabilizados 24 votos (2,17%) para o ex-governador José Maranhão (PMDB) e 21 votos (1,90%) para o senador Cícero Lucena (PSDB), que ocupam o quarto e quinto lugar, respectivamente.



Assessoria de Imprensa (Fórum dos Servidores Públicos Civis e Militares do Estado da Paraíba)

quarta-feira, 26 de março de 2014

QUEM É (SOMOS) O SERVIÇO SOCIAL NA PARAÍBA?

Não sou e não quero ser querido por todos/as, tenho lado na luta de classes e sei que serei odiado pelos/as que defendem a ordem estabelecida e o capitalismo! Não estou nem estarei com os/as que governaram e governam a Paraíba, QUERO MUDANÇA.

Quem são seus/suas ídolos/as? Eles/as disseram ser “isentos/as” no processo eleitoral do conjunto CFESS/CRESS? Você sabe, de fato, qual a posição desse/a professor/a?

Pode até ser que esse texto fique chato com tantas interrogações, mas você estava na aula da especialização do CINTEP (CENTRO INTEGRADO DE TECNOLOGIA E PESQUISA) do sábado que antecedeu as eleições do Conselho Regional de Serviço Social da Paraíba- CRESS/PB? É verdade que a professora detonou a atual gestão do CRESS/PB e, em especial, o candidato a Presidente? Seria ética essa postura? Essa professora tem vínculo com a UFPB? Esse vínculo é de Dedicação Exclusiva? Sabe a consequência das respostas pra cada um das perguntas?

A professora, se é que podemos chamar uma profissional/pessoa dessa de professora, abriu espaço para que as pessoas atacadas pudessem se defendessem? A professora disse o que se passa na gestão da Assistência Social na Paraíba? A professora teve coragem de falar da falta de concurso público na secretária responsável pela Assistência Social na Paraíba? A professora teve coragem de falar, de fato, o ocorreu na última seleção para a Secretaria de Desenvolvimento Humano do Estado da Paraíba? Qual o real interesse da professora, de uma especialização tão procurada pelos/as Assistentes Sociais da Paraíba, em detonar uma gestão na qual ela sequer participou de uma única assembléia da categoria? Seria devido sua relação com o Governador do Estado da Paraíba?

Professora, se for verdade o que dizem do envolvimento de vossa excelência no processo eleitoral em debate, eu só posso dizer que não sou ninguém; siga seu caminho na tentativa de um dia ser alguém, já que  um ninguém como eu tem atrapalhado tanto seus planos; planos tão pequenos que ninguém consegue entender de fato quais são, se ser Reitora, Deputada, Governadora, Presidente do CRESS/PB (esse parece tão distante) ou Representante de Sala... O que de fato queres? O que eu, pobre mortal, posso de fato impactar no rumo político de um ser que se acha tão especial? SE LIGA E FAÇA SUA PARTE NO QUE SERIA, DE FATO, SUA OBRIGAÇÃO NA MUDANÇA NA UFPB, NO ESTADO DA PARAÍBA OU NO SERVIÇO SOCIAL!

ABRAÇO!

domingo, 23 de março de 2014

CRESS/PB: A VONTADE DA CATEGORIA E A COMPRA DE VOTOS.


Vontade da Categoria: Serviço Social da Paraíba quer “Seguir na Luta, Forte e Independente”

Estamos em meio a maior votação da história do Conselho Regional de Serviço Social da Paraíba, até o momento mais de 350 Assistentes Sociais já votaram nas eleições do Conjunto CFESS/CRESS. A chapa “Seguir na Luta, Forte e Independente” entende que essa votação é resultado do avanço do Conselho nos últimos dois anos e agradece pelos inúmeros apoios declarados até o momento; mas não acabou, @s Profissionais do interior ainda podem enviar seu voto por correspondência, sugerimos que façam o mais rápido possível, mesmo o prazo regimental sendo até o dia 02 de abril.

No último dia das eleições, após a outra chapa perceber que ampla maioria dos/as Assistentes Sociais da Paraíba querem “Seguir na Luta, Forte e Independente”, a chapa “Alternativa CRESS” entrou com pedido de impugnação da nossa chapa em um claro desrespeito aos/as Assistentes Sociais da Paraíba que já votaram e expressaram seu desejo em decidir o futuro do seu Conselho.

A outra chapa alega a realização de Boca de Urna e nos critica por termos organizado um comitê para receber a categoria, segue o link do Código Eleitoral (http://www.cfess.org.br/arquivos/resolucao-cfess-659-2013.pdf) para que possam ler e perceber que não existe proibição de organização de comitê e que a boca de urna só é proibida no estabelecimento de votação; as duas chapas fizeram boca de urna no prédio onde fica a sede do CRESS/PB, nenhum delas no local de votação.

Tiraram foto do nosso comitê (sem a devida autorização) e postaram na internet caluniando nossa chapa, composta por 18 colegas Assistentes Sociais do litoral ao sertão, questionando a ética do nosso grupo como se fosse ilegal organizar o comitê; não temos culpa se elas/es não conseguiram organizar seu próprio comitê e se incomodou com nosso nível de organização; o código eleitoral é claro, em nenhum momento proíbe a organização de comitê (Código Eleitoral - http://www.cfess.org.br/arquivos/resolucao-cfess-659-2013.pdf); qual a real postura ética em nosso processo eleitoral?

Os/as Assistentes Sociais da Paraíba merecem respeito, a vontade da categoria tem que ser respeitada. A outra chapa entrou na justiça para não ter debate entre as chapas, agora diz que entrará na justiça para suspender as eleições e tenta anular a chapa mais apoiada pela categoria.


Compra de Votos

A Chapa “Seguir na Luta, Forte e Independente” recebeu denúncias e tomou conhecimento de possível compra de votos no processo eleitoral do Conjunto CFESS/CRESS no estado da Paraíba, podendo o pagamento da anuidade por terceiros ter sido a tática utilizada para tal prática. As informações que chegaram foi de que uma senhora entrou na sala do CRESS/PB (dizendo ter sido enviada por outra pessoa) recolhendo os boletos para realizar o pagamento das anuidades.

A compra de votos por meio do pagamento de anuidade por terceiros não deve ser confundida com favor de um/a amigo/a em uma situação pontual, seja ela relacionada a acessibilidade e/ou acordo financeiro entre eles/as (empréstimo de um amigo/a para outro/a). A Chapa “Seguir na Luta, Forte e Independente” não irá acusar nenhuma pessoa ou chapa sem a devida comprovação, para isso entregará na segunda-feira (24/03) ofício solicitando informação (em anexo).

É possível pelo sistema do CRESS/PB saber onde foi realizado o pagamento das anuidades e por quem, se em um banco utilizando a mesma conta bancária (ou cartão) ou se em lotérica (ou outro estabelecimento) por uma mesma pessoa, saindo de um fato isolado das relações pessoais e envolvendo um aparado financeiro que pode caracterizar a compra de votos. A prática de compra de votos não condiz com os princípios éticos da profissão, prática essa que não é aceita nem mesmo pela legalidade burguesa, podendo ser punida com prisão no caso de crime eleitoral.

Queremos que a Comissão Eleitoral verifique nas atas de votação a lista de profissionais que negociaram seus débitos nos dias do pleito para pagar as anuidades e ter direito a voto e solicite ao CRESS/PB listagem dos pagamentos no sistema, verificando se os pagamentos foram efetivados pelo próprio profissional ou por terceiros; e, no caso do pagamento ter sido efetivado por terceiros, verificar se uma mesma pessoa efetivou o pagamento de dois ou mais boletos, verificando ainda se essa pessoa é ou não Assistente Social. Caso a Comissão constate indícios de tal prática, sugerimos que toda documentação seja encaminhada para o Ministério Público Federal.

Não vamos permitir que essa prática entre no Serviço Social, alguém que tem a prática de comprar votos e gastar centenas de reais para ganhar uma eleição, seja ela onde for, deve ter um grande interesse. Muitas vezes essas ações estão relacionadas ao interesse de grupos políticos, impedir o crescimento e o avanço de uma categoria na luta por direitos; em outras vezes para impedir que determinada entidade pare de entrar na justiça ou de fazer denúncias que seguem na linha da garantia dos direitos, sejam eles das categorias ou da sociedade em geral.

Não é por acaso que o nome da nossa Chapa é “Seguir na LUTA, Forte e INDEPENDENTE”, não temos “rabo” preso com seja qual for a gestão pública, precisamos do seu voto para nosso CRESS/PB “Seguir na Luta, Luta, Forte e Independente”.


Colegas do Interior, cuidado na hora de votar para Seccional e para o CRESS/PB, temos chapas nas duas instâncias, o nome é o mesmo, mas o número é diferente:

CRESS/PB – Chapa 01 – “Seguir na Luta, Luta, Forte e Independente”


Seccional – Chapa 02 – “Seguir na Luta, Luta, Forte e Independente”

Quem quer Seguir Eticamente no CRESS/PB?


Anexo - Conteúdo do Ofício sobre a denúncia de compra de votos.