Siga o Blog por E-Mail.

terça-feira, 9 de outubro de 2018

Sobre a Paraíba, as Eleições e o Segundo Turno. Sou 50, mas vou de 13 Contra o Ódio e por Direitos.

#EleNão. Dito isto, quero agradecer a cada uma, a cada um, que esteve conosco nessa caminhada eleitoral. Agradecer em especial você que votou no 50, mas também agradecer aos que entraram em contato dizendo não concordar com a candidatura do governador, mas que iriam votar nele, se colocando contra Cássio e Maranhão, contra os que declararam apoio ao Bolsonaro, para liquidar com as oligarquias e o fascismo ainda no primeiro turno.

Não estou feliz com a quantidade de votos que tive, serei franco, mas estou muito feliz com o que nós - povo da Paraíba - fizemos ao derrotar os Cunha Lima e os Maranhão, seguindo os demais estados do Nordeste dizendo/votando #EleNão.

Antes que vire textão, diante da emoção e da grande tarefa que temos pela frente, quero dizer que estarei com a maioria do povo da Paraíba na luta pelo #EleNão. O resultado prático do que estou afirmando é denunciar a prática do Bolsonaro, mas é mais que isso, é dizer que farei campanha para Haddad, votarei no 13. Não vou aqui sequer ficar dizendo das minhas diferenças com o PT, já que perto das diferenças com o Bolsonaro elas são "fichinhas".

A primeira e única vez que fiz campanha para o PT foi no segundo turno das eleições 2002. Lembro das milhares de pessoas tomando as ruas diante da grande derrota do PSDB, que agora em 2018 afundou completamente. Farei campanha com uma energia maior que fiz no auge dos meus 24 anos, afinal de contas estamos lutando contra o fascismo, por mais que alguns (inclusive algumas pessoas que amo) não percebam.

O povo da Paraíba derrotou os que retiraram direitos, agora  vai derrotar Bolsonaro, que votou com Temer na retirada dos direitos trabalhistas e no congelamento dos gastos públicos para segurança, saúde e educação.

O povo da Paraíba derrotou as oligarquias, vai derrotar Bolsonaro que constrói uma nova oligarquia, com filhos no parlamento do Rio de Janeiro e São Paulo.

O povo da Paraíba é pela ética e contra a corrupção, vai derrotar Bolsonaro que até hoje não explicou o crescimento do patrimônio de sua família superior a renda recebida; recebeu quase 1 milhão em auxílio moradia tendo casa em Brasília; recebeu 200mil da JBS, empresa da lava-jato (e nem venha com papinho de que devolveu, já que a devolução foi para o Partido, que repassou o mesmo valor para ele, coincidência?).

O povo da Paraíba é pelo respeito e pela vida, vai derrotar Bolsonaro que disse que mataria representantes da esquerda e fez várias declarações contra mulheres, negros e LGBTs.

Vamos na luta democrática, vestindo nossas camisas e sem se calar. O ódio que se esconda.

Que nesse segundo turno vença a luta contra o machismo, o racismo, a LGBTfobia, a xenofobia, a revogabilidade da EC 95, da deforma Trabalhista, da terceirização ampla e irrestrita e das demais medidas de Temer apoiadas por Bolsonaro.

Resumindo, seguirei a luta contra o ódio, contra o golpe e por direitos. Sou 50, seguirei em campanha, seguirei nas ruas. No segundo turno vou de 13.

Forte Abraço.
Tárcio Teixeira
Presidente do PSOL/PB

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Temer, Calar ou Ser Quem Somos (Lutadores/as Sociais)?




Não é momento de neutralidade, como alguns candidatos fazem, é momento de dizer #EleNão.

Não é momento de hegemonismo, é momento de respeitar as diferenças postas no processo eleitoral, no campo popular, e focar no #EleNão. No depois, no segundo turno, estaremos com Boulos ou com quem do campo popular lá estiver, agora não podem nos calar.

Não é momento de medo e silêncio, ou de achar que todos que votam em Bolsonaro (mesmo vestindo camisa) é fascista, pode ser só mais um perdido, devemos chegar junto, conversar; caso sintamos hostilidade geral (não senti isso em nenhum aglomerado de pessoas que entrei, sempre tive defesa) é só sair de perto. O medo não pode ser maior que a vontade de dialogar e mudar.

O silêncio e a neutralidade só favorece o #EleNão.

O hegemonismo só joga um/a trabalhador/a contra o/a outro/a, sejamos diferentes e respeitemos as diferenças na luta contra o #EleNão.

O medo não traz transformação, apenas nos joga para longe de quem precisa nos ouvir ou precisa ser enfrentado.

Não calemos diante do que acreditamos. Não calemos diante do que enfrentamos. Não calemos!

Não guardemos nossas bandeiras, não guardemos nossas camisas, não guardemos nossa coragem de transformar.

Não silenciemos o amor e a democracia.

Calemos o Machismo, o Racismo e a LGBTfobia.

Usemos nossas camisas. Usemos nossas cores. Usemos nossa coragem.

Gritemos o amor e calemos o ódio.

É hora de ser o que somos! SE ENFRENTAMOS A CLANDESTINIDADE E A TORTURA, NÃO É HORA DE CALAR, DE TEMER, DE GUARDAR NOSSAS CAMISAS, é hora de ser o que somos e ganhar as ruas e as urnas.

Força e coragem é para todos nós, não calemos!

Calar jamais, Ditadura Jamais!