Siga o Blog por E-Mail.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Dizer Não para PEC 181 é dizer SIM PARA VIDA DAS MULHERES

Será que Deputados Federais Latifundiários ou Grileiros, muitas vezes sinônimos, defenderiam a devolução das terras tomadas dos/as índios ou dos/as quilombolas? Será que Deputados sonegadores de impostos aprovariam legislação com sanções mais duras para esses casos? Será que Deputados que controlam o Congresso aprovariam uma reforma política que garantisse um equilíbrio de forças entre as diferentes correntes ideológicas existes em nosso país? Respostas curtas para as três questões: não, não e não.

Da mesma forma, um Congresso formado em sua maioria de Deputadas defenderia a vida das mulheres e não aprovariam, sequer em uma Comissão Especial, uma PEC com o teor homicida depois das alterações feitas na PEC 181/2015. Mas não, é um Congresso com maioria esmagadora de homens, onde 18 homens contra uma mulher aprovaram o fim do aborto em caso de Estupro, Risco de Vida para as mulheres ou em casos de anencefálicos.

No Brasil uma mulher é estuprada a cada 11 minutos. Vivemos em um país onde quatro mulheres morrem por dia nos hospitais por complicações por aborto, isso limitando aos dados oficiais, na vida real os números sobem ainda mais.Uma em cada cinco brasileiras já realizaram aborto. Isso significa que ao olhar para dentro de sua família e/ou círculo de amizade você estará diante de uma mulher que abortou, estará diante de uma amiga, de uma familiar, de uma sobrevivente, não de uma criminosa, como querem fazer esses Deputados que defendem que as mulheres não possam decidir sobre seu corpo, que defendem a revitimização dos estupros.

No Uruguai, não só nos casos de estupro, a mulher tem o direito de ser atendida por um médico e externar seu desejo de realizar um aborto (em gravidez até 12 semanas), sendo em seguida acompanhada por uma equipe multiprofissional (Assistente Social, Ginecologista, Psicóloga/o) até decidir se realmente é um desejo ou falta de opção/orientação. Lá, se na época da clandestinidade, eram mais de 30 mil abortos, hoje anualmente não passam dos 7 mil; se antes morriam milhares de mulheres, com a nova legislação nenhuma morreu por complicações com o aborto; além disso, aumentou em 30% o número de mulheres que decidiram levar a gravidez adiante após solicitar o aborto legal. Não estamos diante de uma legalização ou promoção do aborto, mas do debate aberto e da garantia da vida.

Repudiar esses Deputados - que hipocritamente falam em nome de Deus e que penalizam vítimas de estupro - e dizer não para PEC 181 é dizer SIM PARA VIDA DAS MULHERES.

Tárcio Teixeira
Presidente do PSOL/PB
Pré-candidato ao Governo da Paraíba

Assistente Social do MPPB

Quadro da Organização das Nações Unidas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi gente, comentem e façam sugestões! Abraço.