Siga o Blog por E-Mail.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Sobre Ação de Rua R$2,70 Já é Um Roubo! Tod@s Pelo Direitos à Cidade.

Mais uma vez o centro de João Pessoa foi tomado por populares e representantes de entidades que defendem a melhoria da Mobilidade Urbana na Capital, foi a “Ação de Rua R$2,70 Já é Um Roubo/Não à demissão dos cobradores/Cadê o BRT? - Pelo Direito à Cidade!”. O ato aconteceu no centro de João Pessoa, a concentração foi organizada em frente ao Teatro Santa Rosa e seguiu com uma panfletagem do início da Avenida Guedes Pereira até o integração, quando o terminal foi ocupado pelos manifestantes.

No decorrer da panfletagem o microfone foi aberto para participantes do ato e populares em geral, enquanto isso cartazes com as principais reivindicações foram colados nas paradas e nos ônibus, tendo uma ótima receptividade por parte dos trabalhadores do transporte coletivo, passageiros e transeuntes.

A mesma pauta apresentada durante o ato público foi protocolada na manhã do dia 20 de janeiro no gabinete do Prefeito, detalhando cada uma das reivindicações e solicitando uma reunião com o Prefeito Luciano Cartaxo.

Na próxima segunda (25/01) ocorrerá uma outra plenária geral para avaliação das ações realizadas até aqui e para planejar os próximos passos.


Segue a pauta de reivindicações protocolada no Gabinete do Prefeito e fotos tiradas por Kio Lima.


 
 




2 comentários:





  1. DESENVOLVIMENTO:
    Da implementação do Neoliberalismo no Brasil.
    Das principais características do Neoliberalismo.
    Do enfrentamento da questão social no contexto neoliberal.
    Nos pergunta Gerard Duménil, Boitempo, 2014:” o Brasil é um país neoliberal”? E ele mesmo nos responde de uma certa maneira acho que sim. Assim começa a nossa reflexão sobre a implementação do neoliberalismo no Brasil. E enveredamos por Armando Boito Júnior que nos diz claramente: “Nas discussões recentes sobre o governo Lula, tem havido muita insistência na ideia segundo a qual o novo governo manteve a mesma política econômica herdada de Fernando Henrique Cardoso”.
    As principais características do neoliberalismo são, segundo a biblioteca Wikipédia, a maior biblioteca livre do mundo:
    Doutrina proposta por economistas franceses, alemães e norte-americanos, na primeira metade do século XX, voltada para a adaptação dos princípios do liberalismo clássico às exigências de um Estado regulador e assistencialista, que deveria controlar parcialmente o funcionamento do mercado.

    Doutrina, desenvolvida a partir da década de 1970, que defende a absoluta liberdade de mercado e uma restrição à intervenção estatal sobre a economia, só devendo esta ocorrer em setores imprescindíveis e ainda assim num grau mínimo.
    Ainda nos ensina a Wikipédia:
    Neoliberalismo é o ressurgimento de ideias associadas ao liberalismo económico laissez-faire que teve início nas décadas de 1970 e 1980. Os seus apoiantes defendem uma extensa liberalização económica, livre comércio e a redução da despesa pública como forma de reforçar o papel do setor privado na economia.
    O uso e definição do termo têm-se alterado ao longo do tempo. Originalmente, o neoliberalismo foi uma ideologia económica que emergiu entre académicos liberais europeus na década de 1930 e que tentava definir uma denominada "terceira via" entre as filosofias em conflito do liberalismo clássico e da economia planificada coletivista.[7] Este desenvolvimento deveu-se ao desejo em evitar a repetição das falhas económicos do início da década de 1930, cuja causa era atribuída principalmente à política económica do liberalismo clássico. Nas décadas posteriores, a teoria neoliberal tendeu a divergir da doutrina mais laissez-faire do liberalismo clássico, promovendo em vez disso umaeconomia de mercado sob a orientação e regras de um estado forte, um modelo que viria a ser denominado economia social de mercado.
    Na década de 1960, o uso do termo "neoliberal" entrou em acentuado declínio. O termo foi novamente reintroduzido na década de 1980, associado às "reformas económicas neoliberais" de Augusto Pinochet no Chile, o seu significado tinha-se alterado. Não só se tinha tornado num termo com conotações negativas e usado principalmente pelos críticos da reforma dos mercados, mas tinha também mudado de significado, de uma forma moderada de liberalismo para um conjunto de ideias de capitalismo mais radical e laissez-faire. Os académicos contemporâneos tendem agora a associar o termo às teorias dos economistas Friedrich Hayek e Milton Friedman. Uma vez estabelecido o uso do novo significado entre académicos de língua espanhola, o termo difundiu-se entre os estudo de política económica em língua inglesa, descrevendo o conjunto de ideias associadas com as políticas económicas introduzidas por Margaret Thatcher no Reino Unido e Ronald Reagan nos Estados Unidos.
    Posteriormente, o termo "neoliberalismo" passou a ser usado principalmente de forma pejorativa enquanto crítica às políticas de liberalização económica, como as privatizações,mercado aberto e desregulamentação. A transição de um modelo de consenso social para as políticas neoliberais, e a aceitação das teorias neoliberais na década de 1970, é vista por alguns académicos como a origem da financeirização que levou à crise financeira de 2008.

    ResponderExcluir

Oi gente, comentem e façam sugestões! Abraço.