Siga o Blog por E-Mail.

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

38 Anos de Vida, Entre a Ordem e o Duvidar!

“Vou duvidar de quem pensa que é melhor
Vou duvidar daquilo que já sei de cor
Vou duvidar de quem não põe o pé na lama
Vou duvidar de quem diz que não se engana
(Titãs)

31 de outubro de 2015, completo 38 anos de Vida Vivida. Verdade, não sou mais um boy, mas ainda pretendo viver outros tantos Carnavais (sempre com letra maiúscula). Lembro que até o início de 1997 meus objetivos eram simples, não queria nada mais que boa parte da população coloca como meta, casar, ser pai e conseguir um emprego. Sempre tive planos para chegar onde queria, arrumei uma namorada, estudei pela manhã, estagiei no intervalo do almoço, trabalhei a tarde e, a noite, vendi cachorro quente na frente da faculdade. O que seria da minha vida se tivesse sido “só” isso? Afinal de contas já casei duas vezes, tenho uma filha maravilhosa e já consegui alguns “empregos”.

No mesmo 1997 três figuras, em especial, perceberam meu potencial em pensar o coletivo e, quando menos percebi, eu estava no Movimento Estudantil. Estou falando de Roger, Patrícia e Dany, essa última com uma frase clássica que ecoa até hoje em meus ouvidos: “o tempo depende de você, é uma questão de organização e prioridade”. A primeira vez que ouvi aquilo eu pensei: “e essa doida sabe o que é acordar 06h30 e ir dormir 24h?”.

Antes de 1997 eu lembrava apenas de três momentos políticos: eu criança vendo, após a eleição indireta de Tancredo, as pessoas correndo pelas ruas de Mombaça-CE com uma alegria sem fim; ainda criança, empolgado com a firmeza de Brizola falando na disputa  eleitoral de 1989; e no fora Collor, já no início da adolescência (14 anos), acompanhando a coluna do PCR, hoje importante aliado político.

De lá para cá a política tem feito parte da minha vida, vida que deixou de ser um eu limitado aos amigos e familiares ao descobri o “Matrix”, sem conseguir recuar para um mundo no qual a exploração de classe só não exista “na minha cabeça”. Foi em decorrência dessa desigualdade, que fez deixarmos os nossos em nome de emprego e renda, que saí do meu sertão, lá no Ceará, ainda criança, levado por uma GUERREIRA, viúva aos 18 anos, para “arriscar a vida” em Recife-PE, onde uma desbravadora (tia Marieta) já tinha aberto caminhos para os que chegariam depois.

Caramba! Como terminarei essas linhas como pensei inicialmente? Não conseguirei, vou seguir com a vontade de escrever que consome esses dias pré-aniversário, mesmo que eu não detalhe as águas e os ratos da cheia da Madalena, que não detalhe outas tantas negatividades e positividades da caminhada, que eu não desenhe as aventuras do TRM (fiquem curiosos - ainda não tive coragem nem autorização) de escrever sobre esse trio de coração tão aberto. Será que só eu fico assim nesse período?

Mudei e mudei muito! Morei em 02 estados, 05 cidades, 10 bairros e 17 casas, isso sem contar as 04 casas e os dois bairros que morei em João Pessoa-PB, quando definitivamente pude, de fato, escolher onde morada com a Baiana que amo e vivo há 9 anos.

Vivo há pouco mais de 8 anos na Paraíba, mas com uma intensidade maior do que onde nasci e onde cresci. Aqui, em nossa Paraíba, conheci mais de 80 cidades; fui o delegado sindical mais votado nos Correios; defendi minha dissertação de Mestrado; fui um dos 7 membros da Comissão Nacional de Ética do PSOL por duas gestões; fui eleito e reeleito Presidente do Conselho Regional de Serviço Social da Paraíba, ao lado de um grupo fantástico; contribuí para mudar o perfil do PSOL na Paraíba; e fui candidato a Governador do Estado. Tudo isso em 8 anos! Essa intensa história diz: “se ligue, você não pode mais recuar”.

É, parece que terminei o texto antes do esperado. Não tenho pretensão de recuar, a realidade que faz o ser humano, a minha fez eu ter clareza de que lado estou.

Opa! O mote que eu queria escrever ficou fora desse texto, vamos lá! Eu, até alguns anos depois de 1997, tinha muito medo de ficar velho, tinha muito medo da morte, talvez pelos limites dos planos ou da visão de mundo que eu tinha na época. Quando comecei a militar, a ter uma visão para além da minha vida, passei a ter outra visão da história, passei a entender que eu não tinha medo da velhice, que eu não tinha medo da morte; passei a entender que meu medo era de ser tratado como os idosos são tratados hoje, que meu medo era de morrer simplesmente sendo mais um casado, pai, empregado e que nada fez para que esse mundo seja diferente para os que estão e para os que chegam e seguiram chegando para melhorar esse mundão.


Por mais que alguns digam que é pouco o mundo que temos para o que precisamos enquanto humanidade, nosso mundo só é o que é pelo “simples” fato de tantas viúvas ousarem, de tantos filhos da classe trabalhadora romperam barreiras, de tantos militantes não recuarem. Comecei a militar 90 anos depois da Revolução Russa, que não chegou onde queríamos, mas é importante lembrar que a exploração de classe vem de milhares de anos no mesmo rumo da exploração que vivemos hoje. Seguirei a máxima do “vou duvidar” e agarrado em algumas linhas anarquistas de Raul Seixas, as mesmas estampadas em minha monografia: “não sei onde estou indo, mas sei que estou em meu caminho”.

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Aos que Perguntam Sobre 2016, Seguem Algumas Breves Linhas*

*Tárcio Teixeira – Presidente Eleito do PSOL/PB.

João Pessoa - Eleições Antecipadas

Os ditos grandes partidos, aqueles que fazem a pequena política, já estão em plena campanha. Uns por acreditar na máquina da Prefeitura de João Pessoa e nas alianças que vão do purgatório ao inferno; outros, também com o mesmo formato de aliança, por ter a máquina do Governo da Paraíba e acreditar que pode testar nomes, assim não arriscam jogar, logo de cara, a predileta da Granja aos leões. Alianças definidas? não acredito nisso, o purgatório e o inferno costumam esperar pelo “quem dá mais”. Nesse mesmo “pacote” eu coloco os/as vereadores/as e ex vereadores/as que tentam seguir ou retornar ao Parlamento Municipal, mais representantes do Prefeito e/ou do Governador, dos que governam contra os que já governaram, que de fato representantes do povo.

PSOL com Nova Direção

Recentemente tivemos as Plenárias Municipais e o Congresso Estadual do PSOL/Paraíba, na Plenária de João Pessoa e na etapa Estadual, tivemos duas chapas disputando, a proposta política que defendemos alcançou a vitória nas duas oportunidades, consolidando um Partido em consonância com nossa Direção Nacional. A disputa passou, agora temos uma única direção para cada instância, Diretório Municipal de João Pessoa e Diretório Estadual, composta proporcionalmente por representantes dos diferentes agrupamentos internos.

Como fui eleito Presidente do Diretório Estadual do PSOL na Paraíba, entre as muitas tarefas de Presidente eleito, temos que armar o PSOL para as eleições de 2016, para isso construiremos um seminário estadual a ser realizado em dezembro de 2015, ou janeiro de 2016, para debatermos programa, alianças e apresentamos os pré-candidatos/as do PSOL nos diferentes municípios. Apesar desse marco, em meio ao que vejo nas últimas semanas, gostaria de socializar um breve ponto de vista sobre o PSOL em João Pessoa, cidade na qual milito com maior intensidade.

2016 - Resultado não se Antecipa

Não é verdade que as eleições 2016 serão definidas entre Cartaxo (PSD) e Ricardo (PSB), lembrem que ninguém acreditava que o PT elegeria o Prefeito de João Pessoa em 2012. O PSOL terá candidato a Prefeito em 2016 e uma chapa para vereador com aproximadamente 30 candidat@s. Tenho lido algumas declarações sobre o PSOL que não são reais, já que não fechamos questão sobre 2016, enquanto isso não ocorre, o que temos são apontamentos internos, dos quais eu também tenho os meus.

Sou um militante partidário, apesar do indivíduo Tárcio Teixeira querer, e ser cobrado para, compor a chapa de vereador em 2016, coloco a frente minha visão como dirigente do PSOL. Hoje temos dois nomes apresentados como consenso no interior do PSOL, o de Avenzoar Arruda e o de Victor Hugo, o primeiro foi claro ao afirmar que (hoje) não tem eleições em seus planos para o próximo ano, o segundo, outro grande companheiro, ainda reflete sobre a proposta. Caso nenhum dos dois nomes aceite a tarefa, eu entendo que o PSOL não pode recuar, deve manter a linha política de 2012 e 2014, meu nome pode figurar na lista de pré-candidatos.

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Congresso do PSOL/PB (18 de Outubro): Fortalecer o Partido nas Ruas e nas Urnas.

Domingo, 18 de outubro de 2015, 09h, no Hotel JR, em João Pessoa, realizaremos o Congresso Estadual do PSOL Paraíba. Participarão com direito a voto 29 delegados/as eleitos/as em 14 plenárias, sendo 12 municipais e 02 intermunicipais. As plenárias organizadas pelos Diretórios Municipais reuniram na base do Partido 153 filiados/as aptos/as para votar, além de outros/as que foram filiados/as após o censo congressual, totalizando mais de 200 filiados/as reunidos/as na base partidária. Um crescimento quantitativo e qualitativo do PSOL na Paraíba.

No Congresso Estadual será renovada a Direção Estadual do PSOL/PB e serão eleitos/as 03 delegados/as para o Congresso Nacional do Partido, que será realizado entre os dias 04 e 06 de dezembro de 2015.

Estou a dois mandatos (2012/2015) como um dos sete membros na Comissão Nacional de Ética do PSOL e fui candidato ao Governo da Paraíba pelo Partido, tarefa a qual não dediquei simplesmente a propagandear um nome ou pensar em candidaturas futuras, dediquei minha tarefa de candidato ao processo de ampliação do alcance dos nossos ideais políticos. Agora estou colocando meu nome a disposição do Partido para presidir o PSOL em nossa Paraíba e sigo dialogando com militantes de outros estados para saber se assumirei alguma tarefa nacional no próximo período.

Estive presente em todas as plenárias municipais do PSOL/PB e tenho dedicado boa parte do meu tempo ao fortalecimento do nosso Partido. Acredito que a próxima Direção do PSOL/PB tem a obrigação de avançar na tentativa de que, pela primeira vez em 10 anos de partido legal, possamos acessar o fundo partidário na Paraíba. A tarefa de ampliar o Partido para outros municípios e de articular os Diretórios Municipais já criados, visando armar a militância para eleger os primeiros parlamentares do PSOL na Paraíba, é outra árdua tarefa, esta bem maior que o Diretório Estadual e os Diretórios Municipais, tarefa que precisa unir todos/as os/as filiados/as e lutadores/as sociais da Paraíba.

Temos 04 Deputados Federais Eleitos pelo PSOL entre os 05 melhores Deputados Federais do País e outro, que ingressou recentemente no Partido, entre os 10 melhores. A lei da mordaça, recentemente aprovada no Congresso Nacional, foi voltada especificamente para calar o PSOL, mas além de questioná-la na justiça, a base social construída pelo PSOL vai avançar para garantir o direito de voz ao Partido, a democracia deve prevalecer. A Paraíba carece de parlamentares do nível do PSOL, não arredaremos o pé da luta por direitos e fortaleceremos o Partido para colocarmos nossos pés em diversas casas legislativas municipais, sem esquecer das Prefeituras que disputaremos com todo nosso vigor, a exemplo de Cajazeiras, onde temos o companheiro Gobira como pré-candidato.

Não sabemos quantas chapas serão inscritas para disputar a Direção do PSOL/PB, mas como a Direção Estadual é composta de forma proporcional, tendo representação de todas as chapas inscritas, temos a clareza de que a quantidade de chapas que forem apresentas no Congresso não será motivo para que não tenhamos uma Direção unitária, com foco nos objetivos coletivos, será mais uma importante etapa da democracia interna.

No dia 18 de outubro não vamos repetir o debate já realizado nas Plenárias Municipais, entendemos que o Congresso Estadual é o momento de unir o partido, de construir uma síntese do debate apresentado nos municípios, respeitando as diferenças e fortalecendo o PSOL como um importante instrumento democrático na luta pelo socialismo.

Vamos todos e todas, junt@s! Potencializando o que nos une e dedicando nossas forças contra nossos adversários de classe.

Unidade na Luta por uma outra Paraíba, Unidade na Luta pelo Socialismo!


João Pessoa, 13 de outubro de 2015.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

PSOL/PB: Objetivos Alcançados Ainda no Prazo Antigo, Podemos e Vamos Muito Além!

Amig@s, sentimento de dever quase cumprido. Há uns três anos, antes da campanha de Prefeito com o companheiro Renan Palmeira II, eu disse que após as eleições municipais de 2012 o PSOL seria outro, que ampliaríamos na Paraíba e que em 2016 elegeríamos o/a primeiro/a Vereador/a do PSOL em João Pessoa e que avançaríamos para dois, caso novos quadros entrassem no Partido.

Estamos em 2015 e já é possível perceber que mais que triplicaremos nossa intervenção em números de municípios envolvidos na luta por direitos e nas eleições de 2016. Iremos disputar diversas prefeituras, mas em especial a de Cajazeiras e a de Pilar, onde, antes do PSOL decidir, os/as trabalhadores/as já escolherem o os candidatos do PSOL. Mas, já que temos importantes dirigentes nos diferentes municípios da Paraíba, dedico essas linhas em especial para João Pessoa, onde tenho dedicado muita energia da minha militância organizativa, sempre ao lado de guerreiros/as que fazem o PSOL e a luta por direitos.

Nas ruas e nas urnas temos avançado na parceria com os companheiros/as do PCR, novamente com filiações democráticas no PSOL. Além dos nomes que já tínhamos, importantes quadros aderiram ao Parido, a exemplo de Regis Soares, chargista reconhecido em nossa Paraíba, Victor Hugo Nascimento, militante sindical aguerrido, e Nascimento, que liderou a oposição ao Sindicato dos Motoristas. Não paramos aí, além desses companheiros, passaram a compor nossos quadros professores, como Marcelo Cantalice, entre outras importantes militantes temos Luciana Galvão, Rosália Barbosa e Geraldina Targino, mulheres do povo que chegam para fortalecer o PSOL e a luta por uma sociedade socialista. Sem esquecer dos/as que tínhamos da fundação do PSOL até as filiações de abril de 2015.

Estou citando apenas algumas das filiações de outubro de 2015. Em 2016 Teremos mulheres candidatas não para cumprir cota, mas para mostrar que lugar de mulher é na política, onde essas guerreiras vivem o dia a dia. Para essa caminhada precisaremos de todos/as que cumpriram papeis distintos no PSOL, dos fundadores aos novos filiados/as, mas principalmente da população em geral que acredita que o PSOL é uma alternativa em meio a tanta descrença com a política.

Verdade que a contrarreforma eleitoral que veio do congresso ampliou o prazo de filiação, mas estou muito satisfeito com as conquistas que temos até agora, no prazo "antigo". Satisfeito, não parado, tentarei passar a instiga que estou para muitos/as outros/as e ampliar ainda mais esse campo que é maior que nossas individualidades, que é maior que o PSOL.

A contrarreforma eleitoral de Cunha (PMDB), e que Dilma (PT) não vetou, permite que as empresas de TV tirem o PSOL dos debates eleitorais, mas queremos chegar tão forte em 2016 que, caso queiram nos barrar, o tamanho da força popular não permitirá.

Venham que venham! Vamos que vamos!