Siga o Blog por E-Mail.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Contra o Ódio e em Defesa do Amor, Parabéns ao Movimento LGBT da Paraíba.

O PSOL é vanguarda na defesa das famílias brasileiras, de todas as famílias, tenham elas o formato que tiver; desde que respeitem legislações específicas, como o Estatuto da Criança e do Adolescente, e seja formada por amor e com o consentimento dos/as seu integrantes. Foi no Programa Eleitoral do PSOL que houve o primeiro Beijo gay da televisão brasileira; foi o PSOL, aqui na Paraíba, o partido a apresentar o primeiro candidato a prefeito assumidamente gay do Brasil.

É também na Paraíba que o Movimento do Espírito Lilás (MEL) produz e divulga o primeiro comercial com beijo gay do país (veja comercial no final do texto). Um comercial bem produzido e com um claro objetivo de combater a homofobia, não com o ódio pregado pelos fundamentalistas, mas com o amor e o carinho que deve existente em todas as formas de família.

Homofobia Institucional no Público e no Privado? Caso não exista uma boa justificativa ou mudança de postura, a resposta é sim.

Já é de conhecimento público que o Movimento LGBT foi proibido de entrar na Câmara dos Vereadores para protocolar um ofício pedindo a cassação das honrarias concedidas pela Câmara de João Pessoa, militantes foram agredidos fisicamente em pleno Dia Internacional de Combate a Homofobia; o que a população de João Pessoa ainda não sabe, é que os Vereadores/as da cidade votam pelas honrarias sem mesmo saber quem são os homenageados.

Em reunião com o Presidente da Câmara, o Vereador Renato Martins (PSB) disse em alto e bom som não conhecer ou saber o que fez Magno Malta, Silas Malafaia e Raquel Sherazade por João Pessoa, mas que votou e votaria novamente pela concessão das honrarias em respeito aos colegas Vereadores; e o respeito ao povo, onde fica? No mesmo sentido da Câmara Municipal, a rede Cabo Branco impõe censura ao comercial do MEL, dizendo só passar o comercial com o beijo após 21 horas (informação divulgada em diversos blogs).

Uma rede (Globo) que recentemente pediu desculpas pelo envolvimento com a Ditadura Militar; que após o almoço apresenta beijo de língua e imagens de grande apelo sexual nas novelas do turno da tarde; que expõe o corpo da mulher como mercadoria nos programas de auditório... querer pintar de moralista e impedir um simples “selinho” entre dois homens é, no mínimo, um ataque a nossa inteligência. Uma medida desse porte é um verdadeiro ataque a democracia brasileira, mesmo o Movimento LGBT pagando o espaço, ocorre esse gesto de ataque a comunidade LGBT; até mesmo o consumo é negado aos casais homoafetivos.


Fundamentalista ou Quer Aparecer?

Na caminhada da Cidadania LGBT, no momento da tentativa de protocolar um simples ofício, o Presidente do Diretório Municipal do PSOL de João Pessoa foi agredido fisicamente, arranhado, jogado no chão e arrastado para dentro da Câmara dos Vereadores de João Pessoa; no mesmo momento uma militante do Movimento LGBT, Martão, levou uma "gravata" e também foi arrastada para dentro do que deveria ser a casa do povo. O Presidente da Câmara disse que irá apurar o caso, que a dificuldade deve-se ao fato da segurança da casa ser Privada e ele ainda não saber o que fazer, pelo visto nem a Câmara escapa da privatização.

Uma Vereadora de João Pessoa, que poderia contribuir para paz em uma das capitais mais violentas do mundo, anda dizendo mentira pela Câmara e pelos meios de comunicação; acusando o Movimento LGBT e um Dirigente do PSOL de vandalismo. Não tenho certeza de que a Vereadora seja de fato uma fundamentalista, pelo baixo conteúdo apresentado por ela no debate, tendo a acreditar que ela quer simplesmente aparecer; no que depender dos lutadores/as sociais ela terá que aparecer nas delegacias, no judiciário e nas comissões da Câmara Municipal de João Pessoa, mas para depor e colocar a provar suas palavras.

Associar a violência dos seguranças da Câmara com a campanha contra a homofobia e, ao mesmo tempo, acusar o Movimento LGBT de vandalismo e de ser contra a família é o caminho do ódio. Eu prefiro ficar com o caminho apresentado pelo Movimento LGBT, o caminho do amor e da defesa da família, de todas as famílias!

Tárcio Teixeira
Pré-candidato ao Governo da Paraíba pelo PSOL/PB



quinta-feira, 15 de maio de 2014

15 de Maio, Dia do/a Assistente Social, Comemorar o Que?


Qual nosso Lado?

Ao afirmarmos que temos uma “Opção por um projeto profissional vinculado ao processo de construção de uma nova ordem societária, sem dominação, exploração de classe, etnia e gênero”, um dos princípios do/a Código de Ética dos/as Assistentes Sociais, eu diria que já temos muitos motivos para comemorar. Não deixar a profissão submersa em uma falsa neutralidade e perceber a importâncias de nossa posição técnico/política em nossos pareceres, e outras formas de posicionamento cotidiano, é sinal de um longo processo de amadurecimento coletivo.

Os princípios da nossa profissão, construídos/conquistados de forma coletiva, são a base para que muitos/as Assistentes Sociais não se submetam a pressões externas que podem abalar a autonomia profissional. O medo de ameaça não pode ser utilizado como desculpa para distorcer nossos princípios, mas deve servir de guia para pensar a melhor forma de enfrentar os obstáculos (que não são poucos) que temos pela frente.

Da Graduação ao Conjunto CFESS/CRESS

Quando escolhi ser Assistente Social não havia um motivo especial, não foi necessariamente uma escolha, a meta era ter um curso superior; seguir meu curso até o final, quando tive oportunidade de transferir para um curso mais concorrido, foi uma escolha clara de que eu queria ser Assistente Social. Em nossa profissão não temos os maiores salários, nem aparecemos entre as profissões com maior status social; como minha meta nunca foi ficar rico, muito menos ser colocado de forma superior em uma suposta escala social, então eu resolvi ser Assistente Social e seguir, dentro e fora da minha vida profissional, nossos princípios éticos.

A paixão por minha profissão, associada a minha militância política e nossa realidade local, acabou levando ao nosso envolvimento no Conjunto CFESS/CRESS e, mais precisamente, para Presidência do Conselho Regional de Serviço Social 13ª Região- Paraíba (CRESS/PB); cargo que fui reeleito recentemente para gestão 2014/2017. Hoje, 15 de maio de 2014, dia do/a Assistente Social, é o dia da nossa posse, não entrarei em exercício devido ser pré-candidato a Governador da Paraíba pelo PSOL; tarefa que posso assumir graças a boa equipe formada para gerir nosso Conselho e por nossa entidade viver momentos muito melhores que anos anteriores, permitindo que a gestão siga bons encaminhamentos, independente do meu afastamento no período pré-eleitoral e eleitoral.

Assim como não fiz isoladamente a Gestão 2011/2014, ela foi feita de forma coletiva, em alguns momentos mesmo sem a minha presença; também será dessa forma que caminhará a gestão 2014/2017, de forma coletiva, não pelo presidente ou pela vice-presidente, mas pelos/as dezoito conselheiros/as que foram eleitos/as para essa tarefa. Obviamente que precisaremos de vocês, Assistentes Sociais e Lutadores/as Sociais, para construir um CRESS/PB forte que, além de inscrição e transferência, possa ter como meta principal a luta por uma sociedade igualitária.

Na tarefa de pré-candidato ao Governo, e caso as convenções partidárias definam meu nome como candidato, não estarei longe do debate da categoria; estarei bem próximo, pois sempre que falar de saúde, vou lembrar das nossas inspeções e das denúncias recebidas, da mesma forma nas diversas políticas públicas. Estamos, nós Assistentes Sociais, em todas as cidades da Paraíba e em todas as políticas públicas, temos um potencial de mobilização que vem ampliando nos últimos anos.

E a Copa com Isso?

O Conjunto CFESS/CRESS apresenta o seguinte tema para o dia do/a Assistente Social: “NA COPA, COMEMORAR O QUE?”. Conhecemos das Políticas Públicas, estamos envolvidos de perto no debate sobre orçamento público, sabemos que os recursos públicos destinados para Copa da FIFA deveriam ser voltados para população pobre do nosso país. Essa é mesma lógica privatizante que vemos na saúde, em nossos aeroportos, em nosso petróleo, nas rodoviárias e na educação.

Nós Assistentes Sociais, assim como outras tantas profissões, temos precárias condições de trabalho; esse é um dos motivos (além dos já apresentados) de não estarmos apenas assistindo a FIFA lucrar, estamos mobilizados e mobilizando. Realmente, não temos nada para comemorar ao ver nossos recursos públicos indo pelo ralo, nossa soberania sendo ameaçada, operários morrendo e uma série de direitos sendo negados; mas temos muito para comemorar ao ressurgir o potencial de mobilização dos/as Assistentes Sociais, dos Movimentos Sociais e de boa parte da Sociedade.

15 de maio de 2014

Só o fato de estarmos hoje debatendo o tema apresentado pelo Conjunto CFESS/CRESS durante o dia do/a Assistente Social, já é resultado do enfrentamento da nossa categoria aos tempos duros da ditadura, mas ainda temos muito para fazer, só assim teremos ainda mais o que comemorar.


Feliz dia do/a Assistente Social!

quarta-feira, 7 de maio de 2014

“Entre Sedes”, João Pessoa Entra na Rota da Copa da FIFA! Queremos a Qualquer Custo?


Um Convite Para Refletir e Reivindicar Direitos
O Mapa da Paraíba ficou espremido pelo mapa da FIFA. Somos a ponta mais próxima do Continente Africano, embarcando na Ponta do Seixas pegando o Oceano Atlântico em direção ao Leste, chegamos à região da Copa de 2010; seguindo a BR 230 sentido Oeste, chegamos ao Ceará; pelo Norte da Bússola chegamos ao Rio Grande Norte; e olhando para o Sul do mapa do Brasil, avistamos Pernambuco. Espremidos “Entre Sedes”, o que temos com isso?
A Paraíba não foi escolhida como sede da Copa da FIFA, não foi escolhida nem mesmo como espaço para sediar uma das seleções que participarão do Mundial, mas a iniciativa privada não perderia a chance de explorar a força de trabalho, os recursos públicos e o meio ambiente de nossa bela Paraíba, de nossa bela João Pessoa, que viverá durante a Copa 2014 “Entre Sedes”.
Quando o assunto é a passagem dos 6kg de ouro por João Pessoa, a população não tem nenhuma informação sobre quanto em recursos públicos será gasto ou mesmo quais os ganhos previstos para nossa cidade. Esses 6kg de ouro, mais de meio milhão de reais que formam a taça da FIFA (ou seria da Coca Cola?), serão expostos na Estação Cabo Branco no 11 de maio de 2014 (próximo domingo) e tudo que sabemos, nas palavras da Prefeitura, é que: “Para ter acesso ao local, onde a taça ficará exposta, o visitante terá que adquirir dois produtos da Coca-Cola que estarão sendo vendidos em João Pessoa, em 109 pontos de vendas na Capital”. O espaço é público e pagaremos para olhar a taça em pleno dia das mães, é isso mesmo?

Queremos Transparência e Participação?
João Pessoa receberá a exposição “Nós Falamos Futebol”[1], tentam dizer não ser um evento da FIFA, tentam limitar a organização da exposição ao National Football Museum e ao Qatar Olympic & Sports Museum, será que isso ocorre pelo fato da FIFA ser considerada por muitos/as a entidade mais corrupta do mundo? Afinal de contas a coleção da FIFA é parte importante da exposição que, não por acaso, estará presente nos países sede da Copa do Mundo, começando pelo Brasil e terminando em 2022 na Copa do Mundo de Futebol da FIFA.
João Pessoa será a única cidade do Brasil a receber a exposição “Nós Falamos Futebol”, mais que isso, será a única da América Latina. Estamos falando da maior exposição itinerante de futebol do mundo. Eu quero visitar a exposição, acredito que muitos querem fazer essa visita, mas não queremos essa visita a qualquer custo. Aqui falamos mais que em recursos materiais, pessoal e financeiro, tratamos também da defesa do Meio Ambiente.
Todos/as sabem que a Estação Cabo Branco, onde estão anunciando que será realizada a exposição “Nós Falamos Futebol”, foi construída em uma área que não suporta sequer sua estrutura de concreto. Como organizar naquele espaço um Mega Evento quando se sabe da necessidade de limitar as visitas e a circulação de veículos na “Estação Cabo Branco”? A Barreira do Cabo Branco não vem sendo derrubada simplesmente pelo mar, mas, principalmente, pela ingerência de gestores e especuladores que não aceitam limites para o lucro e crescem os olhos com a especulação imobiliária na região.
A exposição ocorrerá entre os dias 03 de julho e 19 de outubro de 2014, mas não localizei em local algum quanto de dinheiro público, e recurso público de forma geral, será gasto pela Prefeitura de João Pessoa e pelo Governo do Estado da Paraíba para eventos ligados a FIFA, a passagem da taça e a exposição “Nós Falamos Futebol”. Não sou grande conhecedor de futebol, mas como milhões de brasileiros eu também gosto desse esporte, assim como também gosto e entendo ser necessária, em qualquer governo, a transparência sobre o planejamento e o gasto do dinheiro público, elementos que a Lei Feral da Copa deixa de lado junto com nossa soberania.
Em meio a tantos protestos contra o derrame de dinheiro público para Copa da FIFA, em detrimento das políticas públicas, seria fundamental (no mínimo) a realização de uma consulta pública. Além de saber se a população da Paraíba é favorável a realização desses dois eventos relacionados à FIFA, é preciso que o Prefeito de João Pessoa e o Governador da Paraíba respondam algumas questões:

1.      Esse evento é parceria entre o Governo do Estado e a Prefeitura de João Pessoa?
2.      Quanto em recursos públicos (material, pessoal e financeiro) cada esfera de Governo irá gastar com a exposição do futebol?
3.      A iniciativa privada, que visa lucro na realização de suas atividades, ganhará quanto com a vinda da Taça da FIFA e da exposição “Nós Falamos Futebol” para João Pessoa?
4.      Qual a expectativa de retorno financeiro para os cofres públicos e qual melhoria a vinda da Taça da FIFA e a exposição “Nós Falamos Futebol” trará para as Políticas Públicas de Saúde, Educação, Segurança, Mobilidade Urbana entre outras políticas públicas?
5.      Quais medidas serão tomadas para reduzir o impacto ambiental da grande quantidade de visitas, em um curto período de tempo, na área onde será localizada a exposição “Nós Falamos Futebol” e a Taça da FIFA?

Não é preciso ser grande estudioso para perceber o que querem fazer com nosso Recuso Público e Meio Ambiente, basta olhar os 109 pontos de lucro da Coca-Cola e a forma como a FIFA tem se apossado do nosso país.
Somos ou não somos independentes? É isso que a população de João Pessoa, e toda Paraíba, quer? Vamos aceitar isso sem o mínimo de informação? QUEREMOS OU NÃO QUEREMOS PARTICIPAÇÃO POPULAR? Vamos juntos/as pensar alternativas e refletir sobre o assunto, vamos pensar como um Comitê Popular da Copa!

Segue convite de evento organizado no Facebook:
EVENTO NO FACEBOOK- https://www.facebook.com/events/274695562711498/?ref=notif&notif_t=plan_edited






[1] http://joaopessoa.pb.gov.br/estacaocb/evento/we-speak-football-nos-falamos-futebol/

terça-feira, 6 de maio de 2014

Um Convite aos/as Lutadores/as Sociais. Façamos a Frente de Esquerda!

Em João Pessoa, especialmente entre 2011 e 2012, houve um importante alinhamento entre algumas organizações partidárias da Esquerda Socialista e diversos Militantes Sociais em importantes lutas por direitos e na organização da classe trabalhadora, entre as quais, podemos destacar a defesa da Saúde Pública (Fórum em Defesa do SUS e Contra as Privatizações), da Mobilidade Urbana (#CONTRAOAUMENTOJP), dos Direitos Humanos (Conselho Estadual dos Direitos Humanos, Movimento de Mulheres e MEL) e o processo de organização do I Encontro Estadual dos Movimentos Sociais.

O alinhamento apresentado anteriormente, associado ao dinamismo e flexibilização de partidos como o PSOL e a Consulta Popular, possibilitou que nas Eleições de 2012 essas organizações, ao lado de divers@s militantes sociais, formassem a “Unidade Popular”; uma Frente para além de um processo eleitoral, uma frente que apresentou um Programa superior a qualquer uma das organizações que a formou e que apresentou uma importante alternativa de esquerda nas eleições para Prefeito de João Pessoa. O companheiro Renan Palmeira foi o responsável por representar esse grupo naquele processo eleitoral, no qual a Unidade Eleitoral só foi possível devido a Unidade anterior existente nas ruas.

Em 2013, a unidade dos Lutadores/as Sociais seguiu ampliando o alinhamento entre as organizações e favorecendo uma maior articulação durante os Levantes de Junho; após esse importante momento histórico tiveram alguns atos e/ou ações unitárias, sempre de maior impacto que quando organizado por uma única organização. Como não acreditamos em uma frente meramente eleitoral, mas em uma unidade que venha das ruas, da luta política por direitos e em defesa de uma sociedade sem explorados e exploradores, e considerando que em 2014 novamente teremos eleições, agora para Governador e Senador, estamos dialogando informalmente com alguns/mas dirigentes partidários desde 2013, conversas que avançaram em 2014 com a devida formalidade de uma reunião entre organizações. É compreensível que a forma de cada organização dialogar localmente com seus/suas integrantes e com sua direção nacional acaba impondo diferentes ritmos que não permite um parar a espera do outro, mas o diálogo não deve parar, ao contrário, deve ir para rua.

Não precisamos aqui dizem quem eram os/as envolvidos nos levantes de junho, não existem donos/as daquele momento histórico, todos/as tiveram sua importância, os movimentos, os partidos e as pessoas sem filiação partidária que participaram e fizeram história. Tivemos uma grande unidade em meio as nossas diferenças. Mas, até onde essa afirmação é verdadeira é até onde tivemos mais força. Como nossa legislação não permite candidaturas avulsas, nas eleições de 2014 a pauta das ruas só será defendida em sua plenitude pelos partidos que estiveram construindo aquelas lutas e entendendo a horizontalidade que aquele momento exigia.

Nosso nome (Tárcio Teixeira) foi colocado pelo PSOL como pré-candidato ao Governo da Paraíba, não queremos que esse nome venha a ser o candidato unicamente do PSOL, mas dos/as muitos lutadores/as sociais de nossa Paraíba. O momento atual, com o avanço do Agronegócio, do Mercado Financeiro e das Grandes Empreiteiras, não permite que os Partidos da Esquerda Socialista pensem unicamente em seu processo de construção; apesar de o debate da formação da Frente de Esquerda nos últimos dois meses ter avançado mais entre o PSOL, PCB e PSTU, a sociedade precisa que os demais partidos do nosso campo, assim como Movimentos Sociais, Sindicalistas e Militantes de diferentes segmentos, venham debater, ajudar a construir e compor uma alternativa coletiva, não só para se contrapor aos candidatos das Oligarquias (novas e antigas) que serão apresentados pelas elites, mas para disputar os rumos da sociedade.

Vamos junt@s ampliar a Frente de Esquerda, precisamos fazer um debate coletivo superior as nossas direções partidárias, um debate com indivíduos, partidos, movimentos, sindicatos, entre outr@s que estiveram e estão cotidianamente construindo a luta por direitos.

FICA AQUI O CONVITE PARA QUE TOD@S VENHAM PARTICIPAR DA PLENÁRIA DE CONJUNTURA POR UMA FRENTE DE OPOSIÇÃO DA ESQUERDA SOCIALISTA, SERÁ NO DIA 10 DE MAIO (09h- SINTESP/UFPB).

Sigamos a Frente das Lutas de Junho, vamos juntos/as também para as eleições e não nos limitemos a elas.


Forte Abraço

Tárcio Teixeira