Siga o Blog por E-Mail.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Política: Minoria ou Maioria? Quem deve ser mais responsável?


Tentar debater em um pântano é o mesmo que pedir para afundar na areia movediça. Nunca tive problema em ser minoria, não estou com isso dizendo que é bom ser minoria, mas que é preciso ter a mesma responsabilidade (as vezes mais) que as pessoas que dirigem determinados processos; “vomitar” diferenças políticas e/ou inviabilizar espaços coletivos (partido, movimento ou outro), em nome de um processo de autoconstrução, é muito pequeno para quem diz ter como inimigo uma fera chamada Capitalismo.

Vejamos nossas entidades de classe, são muitas as táticas utilizadas em um processo de disputa eleitoral, algumas legítimas e outras imorais e ilegais; por mais duras que elas sejam eu não fico surpreso com muita coisa que vejo, ainda com muita raiva, mas não surpreso; mas sabem de que tenho mais raiva ainda? Quando passam a esvaziar uma direção já formada com o objetivo de fazer não funcionar, nesse caso acho uma palhaçada e uma agressão aos que esperam seu sindicato ou partido em pleno funcionamento. Em todas as gestões que estive, sendo maioria ou minoria, estive presente nas reuniões, plenárias e congressos; não só presente, mas cumprindo as mais diferentes tarefas; ganhando ou perdendo votação, mas contribuindo para o funcionamento, seja como tesoureiro, presidente, delegado, ou um militante sem cargo de direção.

Também presenciei movimentos e táticas coletivas que vinham em uma crescente contra o capital (ou contra uma “simples” burocracia sindical) serem destruídas por um processo estreito de autoconstrução de uma ou outra organização. Algumas vezes são criadas divergências minúsculas onde as unidades poderiam ser bem superiores; em outras vezes simplesmente o espaço é esvaziado por alguns que querem fazer "um movimento para chamar de seu". Entendo, acredito que você também, que em muitas oportunidades é mais correto deixar de expor divergências “não tão pequenas” em nome de ações coletivas que, em minha avaliação, seriam fundamentais na formação de uma frente para alcançar nossos objetivos de classe.

É verdade que as eleições não podem ser deixadas de lado, mas muito menos podem ser nosso fim; elas mais tem nos dividido nas lutas que nos unificado na hora do voto. Vivemos um momento de importantes levantes, manifestações de milhares, milhões de pessoas; ingenuidade (ou oportunismo) querer reduzir a participação dessas pessoas nas ruas a “inconscientes levados pela moda”, a pauta das ruas, das pessoas que estão nas ruas, é concreta! Não podemos diminuir ou escamotear nossas análises pelo fato dessas mobilizações não se encaixarem nos modelos (ou receitas) que alguns vendiam em seus discursos como certos. A dialética não significa modelos prontos para tomar o poder, nem nas ruas, nem nas eleições!

Desculpem o desabafo, não acho justo desqualificar um ou outro por não participar de certas atividades (atos, reuniões, ocupações, místicas...), seja por tempo, prioridade ou medo (polícia, emprego...); mas acabam vestindo a carapuça de desqualificados aqueles que não constroem e não permite que os outros construam. Obviamente essa observação é voltada para os que estão no mesmo campo político, aqui não falo necessariamente da mesma organização, mas da luta de classes.

Por mais horizontal que seja construindo determinado processo (ato, passeata, organização política, debate), sempre alguns/mas militantes estão mais orgânicos e são tidos/as como referência pelos demais envolvidos no processo; por mais que alguns não gostem, eu os/as tenho como meus dirigentes. Entendo que ser dirigente significa, entre outras coisas, sair da zona do conforto; significa abrir mão de muitos projetos, inclusive os pessoais; significa também, esse talvez seja o mais difícil, reconhecer sua incapacidade ou limites momentâneos (física, de tempo, de prioridades...) e permitir que outros/as entrem e passem a assumir importantes tarefas de direção. Dirigentes são únicos, no sentido de não existir um igual ao outro, mas não são deuses, não são insubstituíveis em suas tarefas, não são incontestáveis.

Precisamos ter sensibilidade para o atual momento e para importância de garantir, minimamente, o respeito entre os que lutam por uma sociedade sem exploração de classe, etnia e gênero.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi gente, comentem e façam sugestões! Abraço.