Siga o Blog por E-Mail.

domingo, 2 de junho de 2013

Diversidade Musical: Marcelo Nova, Garota Safada, Raul Seixas, Luan Santana...


Sexta, 31 de maio de 2013, peguei Luar (minha filha – 11 anos) na escola, almoçamos e, logo depois, pegamos a estrada para João Pessoa. No carro, o combinado foi que cada um escolheria um CD para tocar, após algumas músicas da rádio começamos com minha escolha, Marcelo Nova, quatorze músicas de um Rock “muito doido” (nas palavras de Luar).

Antes de terminar a última música Luar já começava a rir, antes de colocar o CD de sua escolha ela avisou entre risos: “eu acho que o senhor não vai gostar não”. Foram nada mais, nada menos, que 20 músicas, começando com Jorge e Mateus, seguidos de Gustavo Lima (com “Gatinha Assanhada”), Garota Safada, Parangolé e algumas parcerias entre as quais eu destaco o DJ alguma coisa e os Lelekes e Michel Teló e Sorriso Maroto. A melhor música do disco, para quem quiser sentir o drama, é “Largadinho”, de Claudinha Leite. Entre os destaques, sem dúvida alguma, eu fico com “Sogrão Caprichou”, de Luan Santana, não pela letra ou arranjo musical, mas pelas gargalhadas de Luar cada vez que tocava o refrão: “Perto de papai você é santinha/Quando o sogrão não tá, você perde a linha”.

Claro que não fiquei surpreso com a trilha sonora tocada após Marcelo Nova, a disputa cotidiana contra a indústria fonográfica é muito desigual, no mesmo sentido estão nossos preconceitos musicais, sejam eles regionais, como muitas vezes ocorre com o Sertanejo, sejam de classe, como alguns tentam fazer com o funk e o pagode. Admito, foi muito divertida nossa viagem, cantávamos, dançávamos e riamos muito; vez por outra minha filhona antecipava o fim da música com afirmações do tipo: “essa é muito ruim” ou “essa é baixaria demais papai”.

A única música do CD de Marcelo Nova que Luar cantou foi “Carpinteiro de Universo”, até mesmo porque ela é fã de Raul Seixas, mas ela também gostou das outras músicas e vai querer cópia do CD; por outro lado, eu, apesar de não querer cópia do CD, sabia cantar a maioria das músicas do sortido compacto.

Como pai e militante social que sou, digo que não precisam ficar desesperados/as, muito menos partir para o proibicionismo ou tentar impor uma overdose do seu gosto musical, basta garantir o acesso a outros tipos de música e dialogar sobre o significado de algumas letras.

Sabe como terminou nossa sexta-feira? Em um incrível show de Val Donato, foi um tributo a Raul Seixas e Cazuza, Luar dançava muito, além de cantar desesperadamente algumas músicas de Cazuza e todas de Raul, a exceção de Metrô Linha 743, recitada pela cantora de forma brilhante na noite da sexta.

O show de Val Donato foi a primeira balada com minha filha, felizmente em um auditório sem cigarro e quase zero de álcool, muito bacana.

No dia seguinte estávamos no Ocupe Porto do Capim, Luar conhecendo um bazar, vendo outras apresentações culturais e, o melhor, atenta as questões da comunidade e a importância da luta social.


Com uma filha atenta como a minha, não vejo motivo para sectarizar por causa de um sortido CD.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oi gente, comentem e façam sugestões! Abraço.