Siga o Blog por E-Mail.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

"Vida Josina"



São poucas pessoas que podem ter a alegria que eu tenho, não é todo dia que aos trinta e quatro anos podemos contar com um avô de noventa anos e uma avó de oitenta. Este mês estou de férias, trinta dias no total, mas apenas oito foram realmente para férias, os demais dediquei ao CRESS/PB e a campanha de Renan Palmeira (PSOL- 50) para Prefeitura de João Pessoa.

No primeiro dia das verdadeiras férias eu tive uma noite muito bacana (apesar de curta), conversei com minha avó e vimos juntos o anime “Vida Maria”. Fomos ao referido vídeo após ela contar um pouco de sua jornada e eu perceber a aproximação com as “Marias” do vídeo. Comecei as férias achando que tinha problemas e precisava descansar, mas a vó, mesmo sem saber, deu uma mega lição de moral ao mostrar duas coisas: fragmentos de sua história; e que eu preciso conhecer a minha história.

Caramba! Estamos lutando para ter direito de conhecer nossa história durante o período da ditadura em nosso país e, muitas vezes, não conhecemos a nossa. Apenas aos trinta e quatro anos fiquei sabendo que meu pai (falecido quando eu tinha três anos) reunia para debater política e que ele ouvia músicas alternativas no Sertão (com S maiúsculo) do meu Ceará. Acho que meu pai não chegava a tanto (será?), mas descobri que nosso Iguatú-CE era reduto de comunista.

Voltando para Josina... O pouco que a vó escreve, foi fruto de “desenhar letra na areia com um pedaço de pau”; ela foi mãe muito jovem, e nem tão jovem também, já que foram quinze barrigas, hoje são quatorze filhos vivos. Com lágrimas nos olhos, uma mistura de tristeza e vitória sobre a vida, ela conta o que significa dividir uma banana para quatro filhos e ficar com fome, tendo vertigens com o quinto filho na barriga; lembra que os gêmeos, meus tios mais novos, “escaparam” pela ajuda de um grupo de médicos que mandavam uma caixa com vinte e quatro litros de leite por mês.

A história teimava em se repetir, minhas tias e minha mãe, não podiam perder tempo desenhando letra, imaginem a quantidade de tarefas domésticas; mas no Sertão é assim, estamos prontos para romper a ordem. Algumas tias resolveram romper barreiras, ou melhor, resolveram estudar ou, simplesmente, não se submeter a todas as tarefas domésticas. Minha mãe sempre lá, contribuindo com manutenção e, ao mesmo tempo, “permitindo” que ela fosse rompida.

Dona Josa, como também é conhecida minha avó, começou a vender bolo e cocada, iniciativa que se somava as atividades que meu avô desenvolvia no campo e as tarefas domésticas ou não que desenvolviam os tios e as tias. Fui o primeiro neto formado e tenho uma prima que já segue no doutorado, as coisas realmente não são as mesmas de outrora, ao menos não para alguns de nós.

Minha mãe casou adolescente, ficou viúva após uns quatro anos de casada, voltou para casa dos pais e depois resolveu descobrir que o mundo é muito maior do que o que estava a frente dos seus olhos. A mãe nunca deixou de viver, apesar de não ter dado o ritmo que gostaria a seus passos; lembro das vezes que eu ajudei a vender os pães caseiros que ela fazia já inspirada nos caminhos de dona Josa, pois havia aprendido  e não passaria pelas mesmas coisas; formou-se após os quarenta anos e esse mês voltou a trabalhar. Somos três filhos da Rosemãe, crescidos juntos em um quarto e sala, aprendendo com a vida, com nossas vidas; mágica, é como a mãe é chamada por alguns, como muitas brasileiras arrumando uma forma de viver e possibilitar que os filhos não tivessem mais uma “Vida Maria”.

Não diria que fui vítima de trabalho infantil, o sustento não dependia das minhas atividades e eu tinha muito tempo para estudar e brincar, as lembranças que tenho das vezes que o vô pedia para eu levar cocada para vender aos romeiros, ou quando a vó pedia para eu vender umas máscaras e dim-dim na frente da frente da Escola Castro Alves (Mombaça-CE), eu tinha um sentimento de alguém importante que era de confiança e podia ajudar. Aos quatorze anos fiz mecânica de auto no SENAI e estagiei em uma empresa de ônibus, onde tive meu primeiro contato com a luta coletiva dos trabalhadores. A mãe sempre alertava para os riscos de determinadas escolhas, mas permitia que tomássemos a que entendêssemos mais correta, às vezes, quando dava errado, ela simplesmente acolhia e ajudava a fazer os devidos ajustes.

Todas as lembranças desse texto chegaram nessa noite tão massa do meu primeiro dia de férias. Sei que tem muita coisa que não sei, não sei nem mesmo se vou saber ou se devo realmente tomar conhecimento, mas sei que quero saber mais da minha história, da nossa história. Essas mulheres, a mãe e a vó, mostraram em meu primeiro dia de férias que não tenho um problema, mas uma opção de vida, a mesma que a delas, romper a ordem!

Plagiando Gonzagão... Se eu pudesse escolher, eu seria neto da Josina e filho da Rosimar, teria nascido no Sertão do Ceará, crescido em Pernambuco e escolhido a Paraíba para viver outros longos anos; escolheria ainda ser assistentes social e não baixar a cabeças para as injustiças do mundo; e nesse momento, nesse exato momento, dia 27 de julho de 2012, às 20h52, eu teria chegado da primeira caminhada de campanha de Renan Palmeira Prefeito de João Pessoa (PSOL-50) e estaria terminando esse texto que apresento para dizer que amo minha mãe e minha avó.

Que siga a história!

domingo, 22 de julho de 2012

Grito d@s Excluíd@s - Vamos tod@s organizar um grande ato!

Companheir@s, segue chamado da Assembleia Popular para organização do Grito d@s Excluíd@s.

"

Esperamos contar com todas e todos para gritamos: Vida em Primeiro Lugar “Queremos um Estado a serviço da nação, que garanta direitos a toda população”.

Todas as terças-feiras às 14h estamos nos reunindo no SINTRICOM-JP (próximo a Central da Polícia Civil no Varadouro) para planejar o Grito e discutir o seus eixos.

Divulguem....

Atenciosamente,

Assembleia Popular

"




sexta-feira, 6 de julho de 2012

Vote Tárcio Teixeira - 50 :)



Amig@s,

Estou muito honrado, mas não sou candidato...

Durante as eleições do CRESS/PB, ainda em 2011, algumas pessoas (com objetivos distintos) disseram que eu seria candidato a vereador em 2012.

Esse ano, após participar de uma audiência pública sobre o transporte público e denunciar o processo de criminalização existente contra um importante militante social, uma autoridade afirmou com todas as letras que eu seria candidato a vereador.

No meu espaço de trabalho, assim como alguns/mas colegas assistentes sociais, disseram que eu deveria sair candidato.

No PSOL, partido que tenho a honra de integrar a Direção Estadual e ser membro da Comissão Nacional de Ética, alguns/mas companheir@s tinham como certa minha candidatura a vereador.

Hoje, mesmo já tendo encerrado os registros de candidaturas, ainda teve quem falasse nessa história. Fico feliz pela lembrança, mas NÃO SOU CANDIDATO!

Porque não sair candidato?

Recentemente o grupo que faço parte foi eleito para gerir o Conselho Regional de Serviço Social 13ª Região- Paraíba, esse fato ocorreu em dezembro de 2011. Afastar-se de uma importante entidade após poucos meses de uma eleição, exatamente no momento de fortalecer a entidade, seria uma grande irresponsabilidade.

Sou grato pelo reconhecimento, convites e convocatórias para ser candidato, não tenham dúvidas que no momento oportuno assumirei tarefa eleitoral, seja ela majoritária ou proporcional. Não estou disposto a construir projetos individuais, mas caso eu possa contribuir eleitoralmente de forma coletiva não tenham dúvidas de que posso assumir essa tarefa.

Sigamos nas lutas sociais sem pretensões eleitorais.

Para Prefeit@ de João Pessoa voto Renan Palmeira e Ana Júlia – 50.

Para vereador/a voto 50.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Mentira


Quem meu coração pensa que é?
Por que acha que pode controlar minha mente?
Controlar meu querer
Controlar meu viver
Estou cansado de ser reprimido por ele
Abrirei meu peito
Pegarei meu coração pelo pescoço
Pisarei em seu pé
Olharei em seus olhos
Por fim, gritarei em seus ouvidos
“Não a quero mais”
“Não a gosto mais”
“Não a amo mais”
Depois o devolverei ao meu peito
Desse dia em diante, voltarei a viver

(Tárcio Teixeira)

Poema retirado do "Labirintos Dialéticos da Paixão", livro pronto há mais de dois anos e, em meio as inúmeras prioridades, nunca publicado.